quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Pra não doer demais

Existem pessoas que simplesmente estão de passagem. Você pode sentir saudade. Querer que volte. Que o filme se repita. Mas não sabe que elas entraram na sua vida para realizarem a dolorosa função de saírem dela um dia. Aqui no meu desabafo ninguém morreu não. Ninguém desapareceu, nem deixou de existir. É gente que continua existindo depois sair pela porta dos fundos. Mas algum dia, não se sabe por que nem muito bem a partir de quando, a pessoa foi a peça perfeita no quebra-cabeça da sua vida. Mas, sendo a vida um processo, uma coisa fluida, mutável, inconstante e absolutamente imprevisível, deixe-me revelar a você que todas as peças mudam de forma nesse jogo. E simplesmente um dia você acorda sem encontrar o encaixe perfeito que existia anteriormente. E aí parece que fica um buraco. Parece que a coisa desanda. Mas é só a vida te cobrando um tempo pra que tudo se ajeite novamente. Então outra peça toma o lugar da antiga. Trazendo a harmonia que você tanto se esforça pra ter consigo, sempre. Mas que graça haveria se todos os encaixes de gente na tua vida fossem perfeitos? Graça nenhuma, eu te digo. A dor da despedida não é pior que a dor silenciosa da rotina. É melhor tirar o curativo de uma vez só, do que puxá-lo lentamente, ponta por ponta, e você já está cansado de saber. Toda pessoa incrível que sai de nossas vidas do dia pra noite, toda peça que muda de forma pra você é um curativo puxado em 1 segundo. Quando você tenta remoer o ocorrido, tenta voltar, se martiriza forçando um contato que já não existe mais, que já não faz mais sentido a não ser na ilusão que você mesmo constrói por medo de enfrentar a coisa de cara, quando age desse jeito, está puxando o curativo da forma mais lenta que pode. Mais dolorosa. E sem assoprar.

9 comentários:

  1. Nossa gostei muito.
    Thiago (BBoy Tôkinha)

    ResponderExcluir
  2. "Se na bagunça do teu coração, meu sangue errou de veia e se perdeu."

    ResponderExcluir
  3. Glória Filgueiras25 de janeiro de 2011 21:41

    Parabéns, por sua aprovação no vestibular.
    Sou professora e admiro quando vejo essa determinação nos estudantes, são essa vitórias que fazem nós professores continuarmos em frente.

    ResponderExcluir
  4. Glória,

    é um prazer receber as visitas e os comentários nos meus textos. De fato, foi um ano intenso e MUITO difícil. Mas no fim, deu tudo certo.

    Estou muito feliz com a notícia e agradeço demais aos professores que tive.
    Agora, não faço mais nada além de descansar, sair e tirar essa minha cor pálida haha. Afinal, tem muita coisa ainda pela frente. Outra fase!

    beijo grande,

    Luiza.

    ResponderExcluir
  5. Olá Luiza,
    Acabo de te ver no suplemento Megazine do Globo de ontem e, não resisti. Vim direto para o seu blog, embora não frequente nenhum.Você sem o saber me incentivou a frequentá-los... Como professora que sou, ao ver sua resposta à reação da Glória Filgueiras, pensei : vou também eu encorajar essa moça que escreve lindamente e dizer a ela minha curiosidade em saber que carreira escolheu. Parabéns por dividir conosco seus sentimentos em forma de poesia e textos lindamente escritos. Assino-me anônima - só nesta opção da lista pude me encaixar - pois desabituada dessa forma de comunicação (os blogs)informo a você que sem pertencer a nenhum mas doravante fã do seu blog, eu, tão curiosa por você enquanto pessoa que escreve, professo a arte do francês. Se é que isso pode te interessar.Ou servir para melhor me identificar. Parabéns mais uma vez e sucesso na carreira que escolheu.(Hum...qual terá sido?)

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    sinta-se à vontade para comentar as publicações.

    Pois é, eu fiz vestibular pra Medicina, pela 2ª vez, e esse ano começou com o pé direito!

    Como relato na primeira postagem do blog, a ideia era criar um espaço de desabafos e pensamentos que pudessem estar na minha cabeça durante esse ano tão caseiro, haha. Comecei a divulgar entre amigos e acabei encontrando aqui uma eficaz válvula de escape! Sou bem fechada no dia-a-dia, mas aprendi a vencer um pouco a timidez quando escrevo..tanto que quase todos os textos têm um teor intimista.
    Fico muito feliz com a visita de vocês e espero que gostem!

    Obrigada,
    beijo grande!

    Lu.

    ResponderExcluir
  7. Olá Luiza,
    Grata pela sua resposta. Respondo rapidinho para dizer que já voltei ao seu blog. Estou ainda aprendendo a frequentá-lo. Saiba que sou da geração dos hieroglifos. Se comparada à sua, considerada geração X (ou já seria a Y ou a Z ?)Então, sempre que quiser me identificar, apesar do bom desse anonimato anti-timidez, assinarei como a Hieróglifa, ok ? Mas sou aquela mesma que ensina francês e que admira seus escritos, tá bom ? Já já vou postar esse comentário e passar a ler seus outros textos. Fiquei feliz também em ver sua reação à minha postagem.
    Hieróglifa

    ResponderExcluir
  8. parabéns Luiza, belo texto bem completo e vai ao embate da realidade.
    Eu criei um blog á uns 3 dias só tem uma postagem mas eu me sentiria honrado se você virasse seguidora, um grande abraço, e saudações socialistas.

    ResponderExcluir
  9. PARABÉNS LUIZA, vc ganhou mais uma fã pro seu blog, adoro seus textos poéticos de teor intimistas, eles me tocam demais!!! Eles me impulsionam pra vida e me fazem questionar o amor...me fazem viajar, pensar e repensar e considerar que sua mente brilhante consegue de fato achar o caminho certo a seguir nessa mais (como vc mesmo disse) inconstante, imprevisível e mutável lida que se chama VIDA! Te admiro!
    Beijo
    Diana

    ResponderExcluir